quinta-feira, 23 de fevereiro de 2012

Como funciona nosso corpo: a circulação

Todas as nossas células precisam receber os nutrientes que digerimos e o oxigênio que respiramos para poderem trabalhar e nos manter vivos. Além disso, precisam ter suas excretas recolhidas para que não morramos intoxicados pelo nosso próprio lixo.

Para que isso ocorra, essas diversas substâncias - junto com muitas outras, como hormônios - precisam circular pelo organismo, se locomovendo de um lugar para outro. Para isso serve o nosso sistema circulatório, composto pelos vasos sanguíneos e pelo coração.

Já o encarregado de carrear essas substâncias por nossas estradas internas é o sangue.


Quando eu era pequena eu imaginava que fossemos como uma bexiga cheia de sangue. E eu não entendia como nosso corpo podia ser cortado em cirurgias sem que nosso sangue escapasse por completo. Para alguns pode parecer absurdo, mas ainda há quem imagine dessa forma.

O que acontece é que temos um sistema circulatório chamado "fechado". Isto é, nosso sangue corre somente dentro dos vasos e se tiver sangue fora deles alguma coisa está bem errada. Por isso os médicos cirurgiões são muito bem treinados com relação à anatomia para que não perfurem vasos importantes durante um procedimento cirúrgico.

Foto da internet mostrando o momento de uma cirurgia: veja como não somos um saco de sangue; nosso sangue corre perfeitamente dentro de vasos.


Mas alguém aí pode falar: "Mas quando sofremos qualquer cortinho besta já sangramos...". É verdade. Vou explicar: se todas as células do nosso corpo precisam receber o sangue, ele precisa chegar até as áreas mais remotas, nossas extremidades. Para isso, nossos vasos vão se ramificando, como se fossem galhos de árvores, e vão ficando mais finos quanto mais perto das suas células-alvo. Dessa forma, o sangue chega em todos os cantos, levando e trazendo tudo o que uma célula precisa. O sangramento que acontece nos nossos cortinhos e arranhões, provém da ruptura desses pequenos vasinhos superficiais, mas é em pequeno volume, podendo coagular e estancar rapidamente.

Quando eu falo "vaso sanguíneo", a maioria deve pensar nas veias, como eles popularmente são chamados. Mas nem todos os vasos sanguíneos são veias. Existem também as artérias e os capilares.



Para explicar isso, vamos entender um pouco de anatomia. E vamos começar pelo mestre, o coração.


Ele fica alojado em um espaço entre nossos 2 pulmões, também protegido pela caixa torácica. O coração é dividido em 4 câmaras (2 átrios, em cima, e 2 ventrículos, embaixo). O sangue sempre entra no coração através de uma grande veia que se liga aos átrios e sai por uma artéria que se liga aos ventrículos. Pra visualizar melhor:
  • do lado esquerdo do coração, as veias pulmonares trazem o sangue cheio de oxigênio vindo dos pulmões. Esse sangue entra no átrio esquerdo, passa para o ventrículo esquerdo e segue pela artéria aorta (essa é famosa, heim!) para ser distribuído para as células do nosso corpo;
  • do lado direito do coração, as veias cavas trazem o sangue pobre em oxigênio e rico em gás carbônico, vindo das nossas células que já respiraram. Esse sangue entra no átrio direito, passa para o ventrículo direito e segue pela artéria pulmonar para os pulmões;

    Esquema simplificado do coração humano mostrando suas 4 câmaras e os principais vasos

    Clique aqui e assista a um vídeo curto que ilustra o ciclo cardíaco.
    
  • nos pulmões esse sangue terá seu gás carbônico removido, será novamente enriquecido com oxigênio através da respiração e voltará ao coração novamente pelas veias pulmonares.... É um ciclo fechado. E observamos que esse ciclo tem um circuito curto (circulação pulmonar), entre o coração e o pulmão e um circuito grande (circulação sistêmica), entre o coração e o restante do corpo.

Esquema que ilustra a circulação pulmonar e a circulação sistêmica
Entre essas câmaras do coração e entre os ventrículos e grandes vasos que se ligam à ele existem válvulas (chamamos de valvas) que mantém o sangue fluindo em uma única direção.

Imagine: o sangue entra no ventrículo esquerdo através do átrio esquerdo: se não existisse uma válvula nessa transição, durante a contração do ventrículo (sístole) o sangue poderia refluir para os pulmões ao invés de seguir rumo ao corpo, causando uma congestão pulmonar.

Doenças nessas válvulas do coração (temos 4 valvas) são chamadas valvopatias e podem ser graves.

O barulhinho de TUM-TÁ que o coração faz nada mais é do que o som do fechamento dessas valvas. O médico tem os ouvidos treinados para detectar alterações nesse som, que podem indicar uma série de doenças.

Esquema que mostra o ciclo do coração: sístole é a contração do músculo; diástole é o relaxamento.
Rede elétrica do coração

O coração bate num ritmo médio de 70 vezes por minuto, podendo variar entre 60 a 100 vezes, dependendo da pessoa, estilo de vida, etc.

Os músculos do coração são equipados com uma eficiente rede elétrica que transmite os sinais para os batimentos corretos.

Quando nos exercitamos, nossos músculos precisam de mais oxigênio do que o normal e isso faz com que nosso coração receba instruções para bater mais rápido, levando mais sangue e, consequentemente, mais oxigênio.



Sabendo um pouco da anatomia do coração, entendemos que as veias são os vasos sanguíneos que entram no coração, vindo ou dos pulmões ou das nossas extremidades e órgãos. Já as artérias são os vasos que saem do coração e seguem em direção aos pulmões ou às nossas extremidades e órgãos.


Sendo assim, é errado dizermos que as artérias só carregam sangue rico em oxigênio e as veias, sangue pobre nesse gás. Isso só é válido quando pensamos no circuito grande (circulação sistêmica, entre o coração e o restante do corpo). No circuito pulmonar ocorre o inverso.


E outra coisa: na nossa anatomia real as veias não são azuis e as artérias não são vermelhas!! Os desenhos são padronizados dessa forma somente para facilitar a diferenciação.
Na realidade não somos coloridos: veja a veia ao lado da artéria. O sangue venospo, porém, é um pouco mais azulado por conter menos quantidade de oxigênio. Só isso.

Já os vasos capilares são os vasos bem ramificados e finos, que se encontram nos nossos órgãos - inclusive pulmões - e nas nossas extremidades. É nos capilares que as substâncias podem entrar e sair do sangue, lá ocorrem as trocas.


Como o sangue não "corre" por si só, o coração faz o papel de bomba, que impulsiona o sangue pelos vasos. Como uma bomba de água mesmo. Por ele ser um órgão muscular, ele se contrai para empurrar o sangue de dentro dele através das artérias, rumo ao seu destino. Sua força deve ser suficiente para movimentar todo esse circuito - até o sangue chegar de volta pelas veias. Haja força! E quanto mais força o coração tem que fazer para o sangue chegar nos capilares mais distantes, mais musculoso o coração fica. Mas músculos demais em um órgão que não é tão grande pode ser prejudicial e causar doenças.


Como as artérias são os vasos que recebem o sangue bombeado diretamente do coração, elas devem poder suportar uma pressão maior. Por isso elas têm uma parede mais muscular e mais elástica. Quanto mais as artérias vão se distanciando do coração, mais finas vão ficando suas paredes, até se transformarem nos capilares.

  


Válvulas das veias

Os capilares, por sua vez, se transformam em veias e o sangue começa a voltar ao coração. Aí o sangue já não tem mais tanta força e pressão, por estar longe do coração. Assim, as paredes das veias podem ser mais finas que as das artérias.



No entanto, pelo fato de o sangue não ter mais tanta pressão nas veias, ele precisa de uma ajudinha para fazer esse caminho de volta. Por isso as nossas veias também contém válvulas em seu percurso, para evitar que o sangue reflua, fazendo-o sempre seguir em frente.



Quando há algum problema nessas válvulas o sangue não consegue voltar para o coração e se acumula nas veias, deformando-as. Assim começam as varizes.



Para ajudar o sangue a circular bem pelas veias, temos que exercitar nossos músculos, pois, quando eles se contraem, eles funcionam também como uma bomba, pressionando os vasos e fazendo o sangue seguir.



Isso é muito importante nas pernas, pois lá o sangue tem um longo caminho para subir, ainda vencendo a resistência da gravidade! Por isso é importante movimentarmos a "batata da perna", ou panturrilha, quando permanecemos muito tempo parados, em pé ou sentados.



Tudo o que foi explicado aqui está muito bem ilustrado com imagens reais do corpo humano nessa sequência de 3 vídeos sugeridos.

Basta clicar em cada um deles:


Vídeo sugerido III




Se tiver dúvidas ou sugestões, deixe um comentário abaixo.

5 comentários:

  1. muito bom me ajudou muito!

    ResponderExcluir
  2. Nossa! esse site é ótimo em anatomia, se eu tivesse descobrido ele antes...

    ResponderExcluir
  3. Nossa! excelente ese site, se eu tivesse descobrido-o antes...

    ResponderExcluir

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...